Share |

Bloco contesta falta de intenção do Governo em construir o novo Hospital de Barcelos

A Comissão Coordenadora Concelhia do Bloco de Esquerda de Barcelos, face à resposta da Ministra da Saúde em relação à pergunta apresentada pelo Grupo Parlamentar do BE, contesta veementemente que não exista, por parte do Governo, qualquer intenção em construir novas instalações para o Hospital de Barcelos. A ministra Marta Temido ao dar como resposta a necessidade de reajustar os documentos estratégicos à realidade atual, nada mais quer dizer do que transpor para a indefinição de um tempo a construção de uma estrutural infraestrutura que peca por tardia há longos anos.

Este adiar sucessivo da legitima aspiração de uma população-alvo, estamos a falar de 154000 pessoas residentes nos concelhos de Barcelos e Esposende, é comprovado pelo facto de na proposta Orçamento do Estado para 2021, não estar inscrita qualquer verba para a início de construção do Hospital nem sequer para abertura de procedimentos concursais.

A população destes concelhos continua legitimamente a exigir a construção desta infraestrutura básica para um digno atendimento aos cuidados de saúde e a Comissão Coordenadora Concelhia do BE, que sempre acompanhou com afinco esta pretensão, irá continuar a lutar por esta justa reivindicação.

Também estendemos as críticas à autarquia municipal que tem manifestado total incapacidade negocial para cumprir a eterna promessa eleitoral. É verdade que, neste caso, a decisão pertence ao poder central, mas também é verdade que a realização do pretendido é tanto mais eficaz e célere quanto maior for o nível de mobilização e de empenho desempenhado pelo município. Um Presidente de Câmara que anuncia extemporaneamente (debate do OE 2020) que tinha a promessa de inicio de construção e nada disso se concretiza; que não agenda qualquer reunião da Comissão de Acompanhamento criada no âmbito da AM como forma de envolver as diferentes forças partidárias e por inerência a população; que não se pronuncia publicamente contra esta notória falta de vontade politica dos órgãos nacionais (Ministério da Saúde) e regionais (ARS Norte) responsáveis pela não decisão, não é com certeza o melhor defensor desta causa coletiva. O BE não se calará enquanto não se concretizar esta aspiração da população.

AnexoTamanho
Resposta Ministério da Saúde21.59 KB